Wikipedia

Resultados da pesquisa


"Você não pode ensinar nada a um homem; você pode apenas ajuda-lo a encontrar a resposta dentro dele mesmo."
Galileu Galilei

2 de setembro de 2009

O CORAL

Autor: Alberto Grimm
Minha mãe me explicou direitinho o que significavam os vários tipos de sons. Ela disse que os sons das vozes podem ser graves ou agudas. Grave é o som mais alto, o mais forte, o mais grosso. O agudo é o som mais fino, mais baixo. Assim, uma voz fininha como a minha é aguda; uma voz como a dela, que é mais grossa, é grave. Depois ela complicou tudo quando disse, que Tenor é o cantor de voz fina, ou aguda, e que Baixo é o cantor de voz mais alta, ou grave. Preferi ficar com a primeira explicação, pois essa eu entendi bem. Em nossa escola, aprendemos a cantar toda manhã, e antes mesmo de qualquer atividade, logo nos reunimos para cantar. Para falar a verdade, adoro cantar, também gosto de observar meus amiguinhos cantando. Fico prestando a atenção para ver que tipo de voz eles possuem. Percebo que às vezes muda muito. Ora é grave, ora é agudo, ou ambos; nunca é uma coisa só. Mas a minha é sempre fininha, é uma coisa só. Perguntei para ela, por que cantar é tão bom, e ela me respondeu que, cantar é melhor que chorar. Perguntei se ela chorava e ela disse que não, simplesmente porque cantava. Fiquei pensando um pouco naquilo, e vi que era assim mesmo.Lembro de um dia que estava sem vontade de cantar, e logo senti vontade de chorar. Será que cantar é o contrário de chorar? Talvez seja por isso que na porta da escola tem uma placa onde está escrito: “QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA”. Outro dia, no pátio de um supermercado, vi uma menina chorando. Perguntei a minha mãe porque ela estava chorando, se era porque não sabia cantar. Minha mãe disse que não; que ela chorava porque sua natureza era diferente da nossa. Disse que ela possuía uma natureza, complexa, e que desde cedo aprendiam logo e serem infelizes, e por isso mesmo nunca se contentavam com aquilo que já possuíam, com aquilo que a natureza mãe lhes deu. Assim, criavam muitas necessidades, tinham muitos desejos, e ela estava chorando exatamente porque um dos seus desejos não fora realizado. Perguntei se aquela mulher de cara brava, ao seu lado era a mãe dela, e minha mãe disse que sim. A menina olhou para nós e por um instante ficou quieta. Depois saímos de lá, sem saber o resultado final.No dia seguinte, contei para minha professora aquele fato. Ela então nos falou sobre os estranhos, sobre como são perigosos, sobre como não devemos confiar neles. Então nos contou a história de um cantor famoso, que gostava de ensinar as crianças a arte do canto. Perguntei se aquilo não era uma lenda, pois lá em casa também ouvira falar dele, só que meus pais nada mais acrescentaram. Ela disse que não era lenda, tudo acontecera de verdade, que ele realmente existira. E contou sua história. Ele criou os corais. Sua voz era incomparável, e era ainda capaz de cantar em todos os tons. Criava músicas de improviso, e como ele ninguém fazia igual, e nem por isso era vaidoso. Não gostava de competir nos torneios da comunidade, pois dizia que isso dividia os indivíduos, criava desunião, tirava a espontaneidade de ser de cada um. Nunca competiu e defendia que isso era a causa do todo desentendimento que existe nos relacionamentos. Se alguém tinha ciúmes dos feitos do outro, logo queria competir, ou para se igualar, ou para superar. Mas no final, quem saia ganhando se a competição sempre continuava? E ele dizia: Se alguém ganha, quer ganhar sempre. Assim, a alegria do prêmio logo se transforma em inquietação, pois estará sempre preocupado em não perder.E ele ensinava pessoalmente o canto às crianças. Gostava de fazer isso de forma voluntária, mas ressaltava que não estava a mando de ninguém. Fazia isso porque era sua vocação; fazia porque dizia que ensinar alguém a ser livre, a não depender de favores nem dos opressores, era a verdadeira felicidade a ser conquistada. Nunca se preocupou em escrever nada sobre o que ensinava, pois dizia que a aqueles que ensinava, o que aprendiam já ficava escrito em suas almas, em seus espíritos, e isso lhes bastaria. Terminada a história fomos cantar mais uma vez, antes de voltar para casa. Nesse dia fiquei pensando naquele cantor da história. Quando fui dormir, de repente me lembrei da história de outro cantor famoso, este bem vaidoso, que inventara um ritmo diferente, onde se cantava do fim para o começo. Era engraçado como cantava, e todos riam muito com as caretas que fazia, quando se engasgava com alguma palavra. Minha mãe disse que suas músicas era de duplo sentido; quer dizer, parecem dizer uma coisa, mas é outra coisa o que realmente significa. Mas, aqueles que o ouvem sabem bem o que significam suas palavras, por isso o adoram. Então, um dia, quando estávamos na hora do recreio, fiquei sabendo que ele estava visitando a nossa escola. Foi uma correria, pois todos queriam conhecê-lo pessoalmente. Não parecia ser arrogando como disseram, na verdade era muito simples, e logo as crianças gostaram do seu jeito brincalhão. Então antes de começar a falar ele cantou um pouco. E disse antes de começar: “Vou cantar de modo normal, mas apenas para vocês”. Não compreendi bem o que queria dizer com modo normal, mas depois entendi tudo. E foi maravilhoso seu canto, o mais extraordinário que jamais havia presenciado, e todos por igual, ficaram extasiados com tão bela voz. Era um dia especial, pois ele ia fazer uma palestra para todos na escola. Então, ficamos sabendo que ele fora um dos alunos mais aplicados do cantor que se tornara uma lenda viva. E foi justamente falando sobre seu mestre, que ele iniciou a palestra. E ele falou para todos. Não devemos nos enganar, pois a vaidade pessoal de um pássaro é nosso mal maior. Nosso mestre não era um pássaro vaidoso, mas era ingênuo, e por isso pagou o preço. Ao exibir seu canto, logo chamou a atenção dos humanos, e estes o capturaram para ter apenas para si seu canto. Ele, claro, nunca mais foi capaz de cantar outra vez. Por isso, publicamente, canto de trás para frente, um canto horrível para o ser egoísta que deseja nos capturar; logo nunca serei desejado. Por isso aprendam; basta saber que sabemos; é tolice exibir nosso saber publicamente em busca de glórias, pois a glória que buscamos pode ser simplesmente o meio de promover outros.
Notas:
Alberto Grimm, é escritor de histórias infantis, e agora nos presenteia com seus contos. Os contos são fábulas modernas, das quais sempre podemos extrair formidáveis lições de vida, que muito favorece à reflexão. http://sitededicas.uol.com.br/

0 comentários:


QUEM LÊ SABE MAIS .

05 / 08 / 2010 Arqueólogos encontram complexo subterrâneo em pirâmide no México
http://www.ambientebrasil.com.br/

Um complexo subterrâneo foi localizado sob a pirâmide de Quetzalcoatl, no sítio arqueológico de Teotihuacán, conforme divulgou o Instituto Nacional de Antropologia e História mexicano (INAH).

A construção, composta por um túnel, daria acesso a uma série de galerias sob o templo dedicado a uma das principais divindades astecas, com aspectos de serpente e de pássaro.

Segundo os arqueólogos, a entrada do complexo estaria há 12 metros de profundidade e foram necessários oito meses de escavações para descobri-la.

Os especialistas acreditam que o local pode conter os restos de governantes da antiga cidade no centro do México.

A entrada do túnel teria sido fechada há 1,8 mil anos pelos habitantes e a estrutura é anterior à construção do tempo de Quetzalcoatl. O local recebia oferendas diversas como ornamentos fabricados com conchas, jade, ardósia e obsidianas.

Ao todo, o complexo teria 100 metros de profundidade. Descoberto em 2003 por Sergio Gómez e Julie Gazzola, o complexo só pode ser explorado após sete anos de planejamento e captação de recursos financeiros. A equipe que realizou o trabalho é composta por 30 profissionais.

– (Fonte: G1)

" FRASEANDO "


voltar ao topo