Wikipedia

Resultados da pesquisa


"Você não pode ensinar nada a um homem; você pode apenas ajuda-lo a encontrar a resposta dentro dele mesmo."
Galileu Galilei

13 de janeiro de 2010

UMA LIÇÃO DE ECOLOGIA (1)

Autor: Alberto Grimm

A sala estava quieta demais. Não vi sinais de nada que sugerisse algum tipo de movimento, pessoas, animais domésticos, especialmente insetos, nada. Era comum ter alguém na sala àquela hora, então imaginei que havia perdido a hora e já era muito tarde. Fiquei espantado quando olhei para o relógio de parede e vi que ainda era muito cedo. Algo muito estranho estava acontecendo ali. Fiquei estático no meu canto, à entrada da porta, sem fazer nenhum ruído; e aguçando meus ouvidos tentei captar algum barulho que me desse alguma pista do que podia estar acontecendo naquele local.
O silêncio era tanto que meus ouvidos podiam mesmo captar o zumbido do silêncio. Olhei para todos os lados e tudo permanecia igual, imóvel, nenhum sinal de vida. Se quisesse descobrir o que estava acontecendo, teria que explorar o local, mas sem fazer barulho. Senti minha pulsação aumentar e tive que respirar fundo várias vezes antes de resolver dar o primeiro passo, afinal, não tinha a menor idéia do que iria encontrar pela frente. Lembrei de uma história onde uma família inteira desaparecera enquanto dormiam. Lembro das especulações na época. Os jornais logo noticiaram que haviam sido seqüestrados por seres do espaço; outros afirmavam que eles teriam desaparecido, quando o filho menor abriu um livro secreto do pai que era arqueólogo, e sem saber o que estava fazendo pronunciou palavras mágicas, como resultado um portal de outra dimensão se abrira arrastando a todos para dentro.
Não sei o que disseram os jornais e revistas, talvez nem tenham dito nada, quando eles voltaram da viagem de férias, dizendo aos vizinhos que saíram à noite porque sua criança era sensível aos raios ultravioletas do sol. Lembro de minha mãe falando de uma lenda quando eu era criança. Dissera que, de tempos em tempos, casas que eram construídas sobre portais dimensionais, sumiam misteriosamente sem deixar vestígios. Bem pelo menos, a casa estava ali inteirinha. Pelo canto da parede, caminhei devagar, e a cada passo que dava prendia a respiração. Um pó branco, podia ser visto perto de um vaso de planta à entrada da outra sala, a sala de estar. Antes de prosseguir, numa velocidade surpreendente, minha imaginação começou a trabalhar mil idéias tentando acomodar uma delas que fosse a mais sensata para explicar o tal pó.
De repente podia até nem ser pó, pensei; podia ser outra coisa. Por um instante esqueci de todo resto e fiquei criando coisas à respeito daquela matéria branca com jeito de pó. Então tomei um grande susto; ouvi um ruído como um gemido, e depois um som que sugeria algo caindo no chão. Meu coração disparou de vez e senti um arrepio percorrendo todo o meu corpo. páginas (1)(2)

Notas:
Alberto Grimm, é escritor de histórias infantis, e agora nos presenteia com seus contos. Os contos são fábulas modernas, das quais sempre podemos extrair formidáveis lições de vida, que muito favorece à reflexão.
http://www.sitededicas.com.br


0 comentários:


QUEM LÊ SABE MAIS .

05 / 08 / 2010 Arqueólogos encontram complexo subterrâneo em pirâmide no México
http://www.ambientebrasil.com.br/

Um complexo subterrâneo foi localizado sob a pirâmide de Quetzalcoatl, no sítio arqueológico de Teotihuacán, conforme divulgou o Instituto Nacional de Antropologia e História mexicano (INAH).

A construção, composta por um túnel, daria acesso a uma série de galerias sob o templo dedicado a uma das principais divindades astecas, com aspectos de serpente e de pássaro.

Segundo os arqueólogos, a entrada do complexo estaria há 12 metros de profundidade e foram necessários oito meses de escavações para descobri-la.

Os especialistas acreditam que o local pode conter os restos de governantes da antiga cidade no centro do México.

A entrada do túnel teria sido fechada há 1,8 mil anos pelos habitantes e a estrutura é anterior à construção do tempo de Quetzalcoatl. O local recebia oferendas diversas como ornamentos fabricados com conchas, jade, ardósia e obsidianas.

Ao todo, o complexo teria 100 metros de profundidade. Descoberto em 2003 por Sergio Gómez e Julie Gazzola, o complexo só pode ser explorado após sete anos de planejamento e captação de recursos financeiros. A equipe que realizou o trabalho é composta por 30 profissionais.

– (Fonte: G1)

" FRASEANDO "


voltar ao topo